Eu sempre quis falar sobre o que é o hardcore e a forma como o encaro, mas o silêncio acabava sempre por me dominar porque nunca encontrava as palavras certas. Acho que sempre perdi tempo demais a tentar racionalizar e hoje tive um clic. Acabo de chegar de um concerto de hardcore e acho que é o momento ideal para abordar o tema. Os sentimentos estão aqui todos à flor da pele e é mesmo assim que deve ser!

Grande noite a de hoje no Hard Club com Death Will Come, For the Glory e No Turning Back. É incrível o facto de os For the Glory subirem ao palco e dizerem “Os No Turning Back são a melhor banda europeia!” e, logo a seguir, os No Turning Back subirem ao palco e dizerem o mesmo em relação a For the Glory. É também de salientar o facto do Cláudio (baterista de For the Glory) ter tocado pela última vez com a banda e o Ricardo (vocalista) ter começado a chorar…

As pessoas talvez vejam o hardcore como um movimento de pessoas violentas e completamente ocas mas a realidade é totalmente diferente. O hardcore é o reflexo de pessoas que têm vivicidade, gana, paixão, vontade de viver! Não, não é fofinho, é cru e duro. Mas a vida também não é de cor de rosa e o sofrimento que o Homem sente é avassalador. Então o hardcore é uma forma de aceitar todas as adversidades da vida e lutar contra tudo isso, de cabeça levantada. Como disse o Martijn (vocalista No Turning Back) “nós não falamos sobre beber cerveja. nós não falamos sobre party. nós falamos sobre os assuntos realmente importantes. nós falamos sobre a vida!”.

Em baixo deixo uma música dos No Turning Back que sumariza tudo o que disse. Pega no Mundo pela tua mão!


Destiny a state of mind
Check yourself, are you all right?
Is this who you want to be?
Do you think you’re really free?
In times of trouble and distress
Head up high, don’t settle for less!
Follow the path that you have chosen,
Tell yourself you can’t be broken!
Gotta do what you gotta do.
Believe in yourself,
Make it through!
Take control,
Take a stand,
Take the world
In your hand!