part I

i think music can be perceived in two different ways. in one hand, music is just like maths because there are ‘formulas’ to write pieces of music. on the other hand, music is art, so you can grab your instrument and use it as an extension of your soul. maybe i am a lousy music lover as i mostly perceive music as art, as feeling. i do like maths and physics but i can’t see music that way…

so, my point is that it is extremely important to know further details of bands or artists. there are so many pleasant sounds. however, there are very few artists that i feel like diving into their world.

 a

parte II

música é matemática. música é instinto.

a música, à semelhança das outras artes, tem duas componentes. a arte é aquele domínio estranho do conhecimento em que nunca se sabe se é preciso estudo ou autodeterminação. é talvez uma das áreas mais livres de todas, daí esta corrente indecisão. a música pode ser interpretada como ciência porque pode-se estudar música como quem estuda matemática. estudar música é talvez estudar história, e o mesmo acontece em matemática. enquanto que em matemática demonstram-se os resultado obtido até à data, em música estudam-se padrões rítmicos e padrões de notas que juntas soam de determinada forma. música é encarar o instrumento e as notas a ser tocadas iluminarem-se, instintivamente, defronte dos olhos. poderá pensar-se: “e não será isso possível sem bases teóricas?”. será pois, mas esse conhecimento será senso comum. um conhecimento que, embora útil, é erróneo e nem sempre confiável. e um matemático certamente que não se baseia no senso comum…

a ouvir:

Myrra, Mordvynn, Marayaa – Rorcal

Venerable – KEN Mode

The Shape of Punk to Come – Refused